Destaques Melanoma – ASCO 2018
25/06/2018
CARMENA: Prospective, multicenter, open label, randomised, phase 3 non-inferiority study
08/07/2018
 
 

Pembrolizumab no tratamento do câncer de colo uterino avançado

Por: Dra. Carolina Ferraz

No início do mês de junho de 2018, a Food and Drug Administration (FDA) aprovou nos Estados Unidos da América o uso de pembrolizumab para tratamento dos pacientes com câncer de colo uterino recorrente ou metastático com níveis de expressão de PD-L1 acima de 01% para o subgrupo de pacientes que progrediram durante ou após uso prévio de quimioterapia baseada em platina.

A aprovação do FDA baseou-se nos resultados do estudo clínico Fase 2 KEYNOTE-158. Trata-se de um estudo global, multicêntrico, envolvendo pacientes com múltiplos tipos de tumores sólidos avançados – incluindo 98 pacientes com câncer de colo uterino – que não responderam à pelo menos uma linha da terapia padrão prévia.

Os resultados desse estudo foram apresentados no Encontro Anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica em 2017.  Foi observado que 17% dos pacientes com câncer de colo uterino responderam ao pembrolizumab, se o tumor tinha PD-L1 expresso. As taxas de resposta aumentaram para 27% entre os pacientes acompanhados pelo menos 27 semanas.

O perfil de segurança e toxicidade relacionado ao uso de pembrolizumab foi facilmente manejável , sendo os efeitos colaterais principalmente relacionados a autoimunidade, eventos já conhecidos pelo uso prévio desta droga para outras indicações.

Esta aprovação do FDA foi de importância e interesse mundial pois abre portas para quem sabe brevemente uma futura aprovação e o início do uso desta droga no cenário da oncologia nacional, uma vez que continuamos a atingir no nosso país elevadas taxas de incidência desta doença.

O câncer de colo uterino avançado é uma doença de mau prognóstico e uma alta necessidade médica não atendida. No nosso território atinge mulheres em faixa etárias cada vez mais jovens e economicamente ativas, representando um grave dano social. As opções terapêuticas são limitadas após progressão a primeira linha baseada na associação de quimioterapia e bevacizumabe.

Author profile
Dra Carolina Ferraz
Médico Oncologista at Real Instituto de Oncologia

Graduada em medicina pela Universidade Federal de Pernambuco, Residência em Clínica Médica no Hospital Getúlio Vargas (Recife-PE). Residência em Oncologia Clínica no Real Hospital Português de Beneficência (Recife-PE), Oncologista do Real Instituto de Oncologia e preceptora da residência de Oncologia Clínica do Real Hospital Português (Recife-PE)

Buy now