Novidades ASCO GI/2019
30/01/2019
Estudo CELESTIAL: Cabozantinibe no tratamento do carcinoma hepatocelular
10/02/2019
 
 

Tamoxifeno em baixa dose na neoplasia intraepitelial de mama

Por Dra. Ana Caroline Patu

Em 2018 no San Antonio breast cancer symposium (SABCS 2018) foi apresentado por Andrea de Censi, oncologista do Hospital Galliera, na Itália, um estudo clínico randomizado fase III para avaliar o uso de tamoxifeno em baixas doses em neoplasias intraepitelial não invasivas, tais como, carcinoma ductal in situ (CDIS), carcinoma lobular in situ (CLIS) e hiperplasia ductal atípica (HDA).

No período de novembro de 2008 a março de 2015, 500 mulheres foram randomizadas com CDIS, CLIS e HDA, tratadas com cirurgia e radioterapia se necessário, para receber tamoxifeno 5mg por dia versus placebo. Com seguimento de 5,1 anos, 5,5% (14 pacientes) dos pacientes do braço tamoxifeno e 11,3% (28 pacientes)
do braço placebo desenvolveram um novo câncer ou apresentaram recorrência.

Aproximadamente os mesmos dados reprodutíveis com a dose de tamoxifeno de 20mg/dia. Entre as pacientes que apresentavam recidiva ou doença na mama contralateral, três pacientes das 14 do braço do tamoxifeno tiveram câncer invasivo e 11 pacientes tiveram neoplasia intraepitelial. No grupo do placebo, 10 desenvolveram câncer de
mama invasivo e 18 neoplasia intraepitelial.

Com relação aos dados de segurança sabemos que o tamoxifeno aumenta o risco de neoplasia de endométrio e tromboembolismo venoso. Neste estudo houve um caso de câncer endometrial no braço das pacientes do grupo do tamoxifeno em baixa dose e nenhum no braço do placebo e um caso de tromboembolismo venoso no grupo do
tamoxifeno. Não houve diferença entre os braços em relação aos sintomas da menopausa como ondas de calor e secura vaginal. A principal limitação do estudo foi a aderência ao tratamento, que foi de 64,8% no braço do tamoxifeno e 60,7% no braço do placebo. Outra dificuldade é que o tamoxifeno só está disponível em comprimidos
de 10mg e 20mg, mas os autores acreditam que 10mg em dias alternados é tão eficaz quanto 5mg ao dia.

Na nossa prática clínica atual o tratamento para estas pacientes são cirurgia e radioterapia, quando indicada, seguida por tamoxifeno 20mg/dia por 5 anos. Sabemos da dificuldade para este grupo de pacientes de aderência ao tratamento. Apesar de neste estudo as pacientes não foram randomizadas para o braço padrão de tamoxifeno 20mg
versus 5mg, considero a posologia de 10mg em dias alternados uma opção razoável para as pacientes com risco alto de tromboembolismo venoso e com efeitos adversos acentuados dos sintomas da menopausa, que limitam a sua adesão ao tratamento.

Author profile
Dra Ana Caroline Patu
Médica Oncologista at Real Instituto de Oncologia

Graduação em medicina na Universidade Federal de Pernambuco.

Residência médica em oncologia clínica no Hospital Sírio Libanês, São Paulo-SP.

Oncologista do Real Instituto de Oncologia e do Hospital das Clínicas da UFPE.

Preceptora de Residência médica de Oncologia Clínica do Real Hospital Português.

Buy now