Estudo CELESTIAL: Cabozantinibe no tratamento do carcinoma hepatocelular
10/02/2019
O papel da radioterapia ablativa neoadjuvante em pacientes com tumores de pulmão de células não pequenas (NSCLC)
26/02/2019
 
 

Avelumab plus Axitinib versus sunitinib for advanced renal-cell carcinoma

Por Dra. Andrezza Santos

O estudo Javelin Renal 101 foi publicado na edição de 16 de fevereiro de 2019 da revista The New England Journal of Medicine.

Nesse importante estudo de fase III, 886 pacientes com carcinoma de células claras renais, com doença metastática, não previamente tratados foram randomizados 1:1 para tratamento com Avelumab (anti- PDL1) na dose 10mg∕Kg a cada 02 semanas em combinação com axitinibe (inibidor de tirosina kinase anti-VEGFR) 5mg 2x por dia de forma contínua ou para sunitinibe na dose padrão 50mg∕dia por 04 semanas a cada 06 semanas.

Foram inclusos no estudo pacientes de todos os três grupos de risco (baixo, intermediário e alto) tanto pelos critérios do Memorial Sloan Kettering Cancer Center (MSKCC) quanto pelos critérios do International Metastatic Renal Cell Carcinoma Database Consortium (IMDC). Em torno de 62% dos pacientes do estudo tinham expressão de PDL-1 positiva.

 

Os objetivos primários do estudo foram demonstrar superioridade da combinação em sobrevida livre de progressão de doença e sobrevida global na população com expressão de PDL-1 positiva ( ≥ 1% positividade de PDL-1 nas células imune dentro da área tumoral da amostra).

Na população com  expressão de PDL-1 positiva a mediana de sobrevida livre de progressão foi significativamente maior entre os pacientes tratados com avelumab+ axitinibe do que entre os tratados com sunitinibe (13,8 meses versus 7,2 meses- HR 0,61; P< 0,001). O mesmo resultado foi observado na população geral do estudo (independente de expressão de PDL-1) com mediana de sobrevida livre de progressão 13,8 meses para o tratamento combinado e 8,4 meses para os pacientes tratados com sunitinibe ( HR- 0,67; p<0,001).

A taxa resposta objetiva também foi maior entre os pacientes tratados com a terapia combinada, sendo 55,2 % versus 25,5% na população PDL-1 positiva e 51,4% versus 25,7% na população geral. Houve também o dobro de resposta completa entre os pacientes tratados com avelumab + axitinibe ( 4% versus 2%).

O perfil de eventos adversos foi bem semelhante ocorrendo em torno de 70% de eventos grau 3 em ambos os grupos.

Em resumo a combinação avelumab + axitinibe foi superior ao sunitinibe em sobrevida livre de progressão e em taxa de reposta em todos os três grupos de risco e independente da expressão de PDL-1.  Enquanto os dados de sobrevida global são esperados o tratamento combinado emerge como primeira opção entre os pacientes de baixo risco enquanto que a combinação ipilimumab + nivolumab fica ainda como primeira opção entre os pacientes de risco intermediário e alto, baseado nos dados prévios do estudo checkmate 214.

Author profile
Dra. Andrezza Santos
Médico Oncologista at Real Instituto de Oncologia

Residência em oncologia Clinica no Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira IMIP, Mestrado em cuidados paliativos pelo IMIP, Preceptora das residências de oncologia clínica do IMIP, Hospital Universitário Osvaldo Cruz -HUOC e do Real Hospital Português

Buy now