Nivolumabe plus Cabozantinibe versus Sunitinibe for Advanced Renal-Cell Carcinoma (CheckMate 9ER)

Uso de nivolumabe associado a quimioterapia no cenário neoadjuvante do câncer de pulmão não pequenas células: CheckMate 816
22/04/2022
Recomendações de uso de biomarcadores/ testes moleculares para escolha de tratamento adjuvante com quimioterapia e hormonioterapia em Câncer de Mama Inicial – Guideline ASCO 2022
25/05/2022

Por Dra Paloma Porto

O carcinoma de células renais é um tumor caracterizado pela perda do gen VHL levando ao aumento da angiogênese. O cenário de tratamento com imunoterapia e antiangiogênicos tem se expandido rapidamente e tem melhorado os desfechos desses pacientes.

Tanto o cabozantinibe (um inibidor de tirosina quinases) quanto o nivolumabe (anti PD-1) são terapias aprovadas para o tratamento de carcinoma de células renais avançado e demonstraram melhorar a sobrevida global, como agentes únicos, em ensaios de fase 3.

O CheckMate 9ER foi um estudo de fase 3, randomizado, aberto, em adultos com carcinoma de células claras avançado não tratado previamente (uma terapia adjuvante ou neoadjuvante prévia para carcinoma de células renais completamente ressecável foi permitida) para receber nivolumabe (240 mg a cada 2 semanas) mais cabozantinibe (40 mg uma vez ao dia) ou sunitinibe (50 mg uma vez por dia durante 4 semanas a cada 6 semanas). O desfecho primário foi a sobrevida livre de progressão e os desfechos secundários foram sobrevida global, resposta objetiva e segurança.

Os pacientes podiam ter qualquer pontuação de risco prognóstico do International Metastatic Renal-Cell Carcinoma Database Consortium (IMDC).

Um total de 651 pacientes foram randomizados para receber nivolumabe mais cabozantinibe (323 pacientes) ou sunitinibe (328 pacientes). 

Em um acompanhamento mediano de 18,1 meses para sobrevida global (OS), a sobrevida livre de progressão (PFS) mediana foi de 16,6 meses ( IC 95% – 12,5 a 24,9) com nivolumabe mais cabozantinibe e 8,3 meses (IC 95% – 7,0 a 9,7 ) com sunitinibe (HR 0,51; IC 95% – 0,41 a 0,64; P <0,001). A probabilidade de sobrevida global em 12 meses foi de 85,7% (IC 95% – 81,3 a 89,1) com nivolumabe mais cabozantinibe e 75,6% (IC 95% – 70,5 a 80,0) com sunitinibe (HR 0,60; IC 98,89%, 0,40 a 0,89; P=0,001). Uma resposta objetiva (ORR) ocorreu em 55,7% dos pacientes que receberam nivolumabe mais cabozantinibe e em 27,1% daqueles que receberam sunitinibe (P<0,001). Os benefícios de eficácia com nivolumabe mais cabozantinibe foram consistentes em todos os subgrupos (incluindo todos os riscos pelo IMDC e expressão de PD-L1 (≥1% vs. <1% ou indeterminado).

Eventos adversos de qualquer causa de grau 3 ou superior ocorreram em 75,3% dos pacientes que receberam nivolumabe mais cabozantinibe e em 70,6% dos pacientes que receberam sunitinibe. No geral, 19,7% dos pacientes no grupo de combinação descontinuaram pelo menos um dos medicamentos do estudo devido a eventos adversos e 5,6% descontinuaram ambos. Os pacientes relataram melhor qualidade de vida relacionada à saúde com nivolumabe mais cabozantinibe do que com sunitinibe.

Na ASCO GU que aconteceu em fevereiro deste ano (2022), os dados foram atualizados e após 25,4 meses de acompanhamento, nivolumabe mais cabozantinibe continuou a demonstrar melhoria na sobrevida global (mediana 37,7 x 34,3 meses; HR 0,70, IC 95% 0,55–0,90), os benefícios da PFS (mediana 16,6 x 8,3 meses; HR 0,56, IC 95% 0,46–0,68) foram mantidos e os benefícios da ORR (55,7%, IC 95% 50,1–61,2 x 28,4%, IC 95% 23,5–33,6) também foram mantidos, sendo maior no grupo do nivolumabe mais cabozantinibe. O grupo da combinação (nivolumabe mais cabozantinibe) também teve mais resposta completa quando comparado ao sunitinibe (12,4% x 5,2%).

A duração mediana da resposta foi de 23,1 meses com nivolumabe mais cabozantinibe vs 15,1 meses com sunitinibe.

Conclui-se que nivolumabe mais cabozantinibe teve benefícios significativos em relação ao sunitinibe em relação à sobrevida livre de progressão, sobrevida global e probabilidade de resposta em pacientes com carcinoma de células renais avançado previamente não tratados.

Esses resultados destacam nivolumabe mais cabozantinibe como tratamento de primeira linha para pacientes com CCR avançado.

Fonte:

https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/nejmoa2026982

https://www.urotoday.com/conference-highlights/asco-gu-2022/asco-gu-2022-kidney-cancer/135499-asco-gu-2022-final-overall-survival-analysis-and-organ-specific-target-lesion-assessments-with-two-year-follow-up-in-checkmate-9er-nivolumabe-plus-cabozantinibe-versus-sunitinibe-for-patients-with-advanced-renal-cell-carcinoma.html

Buy now