Predição de mutação de BRAF V600E e instabilidade de microssatélite através do CA 19.9 e CEA

Recomendações de uso de biomarcadores/ testes moleculares para escolha de tratamento adjuvante com quimioterapia e hormonioterapia em Câncer de Mama Inicial – Guideline ASCO 2022
25/05/2022
PALOMA- 2 : dados de sobrevida global após follow- up de 90 meses
07/06/2022

Um artigo publicado no Journal of Gastrointestinal Oncology chama atenção por sua simplicidade. Os autores destacam a capacidade de uma fórmula contendo dois exames laboratoriais simples e comumente utilizados, dosagem do CA 19.9 e CEA, em predizer mutação do BRAF V600E e presença de instabilidade de microssatélite (MSI-H) em pacientes com câncer colorretal metastático (CCRm).

Foram selecionados, retrospectivamente, pacientes com CCRm e que tivessem testes para dosagem de CA 19.9, CEA, imunoistoquímica para MSI e informação sobre mutação de RAS e BRAF. Um total de 85 pacientes foram incluídos no estudo, sendo 7 pacientes BRAF V600E com estabilidade de microssatélite (MSS), 6 deles MSI-H, 20 RAS mutado MSS e 52 RAS / RAF selvagem.   

Foi observado que os pacientes BRAF V600E MSS apresentavam uma elevação importante de CA 19.9 quando comparado aos níveis de CEA, estes pacientes tiveram as maiores razões CA 19.9 / CEA [28.92 (variando, 2.76–707.27)]. Já os pacientes MSI-H apresentaram as menores razões CA 19.9 / CEA [4.06 (variando, 0.46–166.74)], P valor de 0.004. A mediana da média da razão CA 19.9 / CEA para tumores BRAF V600E MSS foi 21.14 (variando, 1.37–422.99) versus 3.75 (variando, 0.46–79.91) para tumores MSI-H.

Os autores destacam que o NCCN (National Comprehensive Cancer Network) orienta que todos os pacientes devem realizar pesquisa de mutação de RAS e BRAF, além de determinar se há presença de MSI-H. Contudo, os resultados destes testes podem atrasar devido inviabilidade ou inadequação das amostras com necessitando de novas biópsias, além de que tais testes ainda são inacessíveis ou de custo muito elevado em várias partes do planeta. A relação CA 19.9/CEA, portanto, ajuda a analisar e prever o status mutacional dos pacientes com CCRm, muito antes da disponibilidade dos resultados do teste molecular.

Como conclusão os autores defendem que, se validado por um estudo maior, a razão CA 19.9 / CEA pode ser particularmente útil em partes do mundo onde o teste mutacional é inacessível.

Buy now